A foto do CR7 em Paris

Esse é meu primeiro texto nesse blog. A ideia de criar o “Por trás da foto” surgiu durante uma conversa com a Vanessa, minha esposa. Na verdade nem sei se as pessoas ainda fazem blog. Muito menos se alguém vai se interessar em entrar aqui. Enfim, vou escrever essa parada. Nada muito rígido ou com dia e hora para “subir algum texto”. Quero mesmo é contar a historia de alguma foto legal que eu tenha feito e que possa despertar o interesse das pessoas. Aliás, aceito sugestões de próximas fotos a terem sua história contada… 

Dito isso, acho bacana começar com essa foto do CR7 deslizando no Parc des Princes. 

Fui a esse jogo para fotografar dois atletas do PSG: Marquinhos e Thiago Silva. Quando cheguei ao estádio, a maior parte das posições para fotógrafos já estavam ocupadas. Eram em torno de 60 fotógrafos no gramado. Como de costume, fiz as fotos da entrada dos times em campo e fui me posicionar. Gosto de ficar na lateral do gramado, bem perto da bandeira de escanteio, de preferência do lado contrário do banco de reservas. A primeira lateral que passei já estava lotada, então fui para a outra. Surpreendentemente, o “cantinho” estava lá, livre. Coloquei meu banquinho e sentei. O PSG atacaria para aquele lado no primeiro tempo.

Passados 45 minutos, 0x0. Consegui algumas boas fotos dos atletas que eu tinha que fotografar. A tendência seria, no segundo tempo, tentar uma vaga no outro lado do campo, mas decidi ficar. Primeiro, porque como estava fotografando os dois zagueiros, eles estariam mais próximos da minha posição na segunda etapa do jogo. E segundo, porque já havia reparado que o Cristiano Ronaldo passou boa parte do primeiro tempo aberto na ponta-direita do ataque do Real Madri (bem aonde eu estaria no segundo tempo). A tendência era o PSG sair pro jogo e oferecer os contra-ataques ao Real - e ao português. Outra coisa que não saía da minha cabeça (e que eu SEMPRE quis fazer, de tanto ver jogos da Champions na televisão) era que, se algum jogador do Real fizesse um gol, a chance de dar aquela escorregada de joelhos na comemoração era muito grande. Enfim, fui até a sala de fotógrafos do estádio, enviei algumas imagens e voltei para a minha posição.

Eu trabalho sempre com uma Canon 1Dx (com lente 400mm) e com uma 5D Mark II (de estimação) com uma lente 50mm. A 400mm esta sempre no 2.8 (abertura do diafragma) e a 50mm sempre no 2.0. 

Começa o segundo tempo, ataque do PSG, a zaga do Real Madri corta e dá-lhe contra-ataque. Um jogador escapa pela ponta esquerda e Cristiano Ronaldo dispara pelo meio. Cruzamento na cabeça do melhor do mundo e bola na rede. E lá vem o português correndo com tudo na minha direção. Essa hora é um misto de sorte e intuição. Estou fechado nele com a 400m e ele vem vindo. “E agora? Pego a outra câmera com a 50mm? Não pego? Que horas eu pego? Porra, o cara tá cada vez mais perto. Será que ele vai deslizar”? 

Tudo isso em menos de no máximo uns dois segundos. Bom, o resultado é essa foto acima. Acho que fiz uns 6 cliques dele deslizando com a 5D Mark II. Desses seis, dois com foco. O restante tudo desfocado. 

Gosto dessa foto pela vibração, pela plasticidade, mas principalmente por esse fundo todo esfumaçado. Um pouco antes a torcida dos PSG acendeu alguns sinalizadores que produziram essa fumaça. Aí virou uma imagem com praticamente duas cores: o verde do gramado e o branco - do fundo e da camisa do Real Madri.


 

Using Format